sexta-feira, 5 de outubro de 2012

A consulta dos 4 meses

Na última terça-feira, Júlia teve consulta de rotina com seu pediatra, a consulta dos 4 meses. Eu estava muito ansiosa por esta consulta porque, geralmente, é aos 4 meses que o pediatra indica se devemos mudar a alimentação do bebê e introduzir outros alimentos.

Segundo a Organização Mundial da Saúde, o bebê deve ser alimentado exclusivamente com leite materno até completar 6 meses. Entretanto, muitos médicos e mães optam por introduzir novos alimentos aos 4 meses, sendo que nem sempre é necessário.

Eu nunca tinha parado pra pensar no assunto, nem formado opinião a respeito até a Júlia completar 3 meses. Eu estava com a cabeça cheia de dúvidas quanto à alimentação da minha filha porque ela tem refluxo desde a primeira semana de vida e teve dificuldade para ganhar peso em seu primeiro mês. Depois disso, continuou engordando, mas eu tinha muito medo de que isso não fosse o suficiente pra ela e, conforme nossa experiência com a amamentação foi melhorando, eu queria cada vez mais amamentá-la pelo maior tempo possível. Assim, decidi que amamentaria exclusivamente até os 6 meses.

Depois de muito me informar, descobri que nem todos os pediatras apoiam plenamente o aleitamento materno e cada vez mais indicam o uso do leite artificial e introduzem as papinhas antes do recomendado. Aí começou a bater outro medo. Será que o pediatra da Júlia iria me apoiar no AME (aleitamento materno exclusivo) ou eu teria que mudar de médico até encontrar um que me apoiasse nisso??? Eu não queria mudar de médico, acho o pediatra da Júlia um ótimo profissional, mas não tinha a menor ideia de qual era a posição dele sobre o AME.

7kg de pura gostosura!!
Chegado o dia da consulta, logo que entramos no consultório, o médico já olhou pra Ju e disse que ela tinha engordado bastante. Ao examiná-la, nós dois nos surpreendemos. Júlia tinha engordado quase 2kg em 1 mês, coisa que nunca havia acontecido. Ela passou de 5,4kg para 7,3kg apenas mamando no peito. Para minha felicidade, o médico disse que eu poderia amamentá-la exclusivamente no peito até os 6 meses já que ela está ganhando peso normalmente (até mais do que o esperado) e minha produção de leite é satisfatória.

Mas por que introduzir novos alimentos somente após os 6 meses?

"A Organização Mundial da Saúde (OMS) e o Ministério da Saúde recomendam o aleitamento materno exclusivo até a criança ter 6 meses. Depois dessa idade, o leite materno não contém mais, sozinho, todos os nutrientes de que o bebê precisa, especialmente o ferro, por isso outros alimentos passam a ser necessários para complementar a dieta. 

O leite materno até os 6 meses ajuda a minimizar o risco de seu filho desenvolver reações adversas a certos alimentos, assim como alergias. Essa questão torna-se ainda mais importante no caso de haver um histórico familiar de alergias. Depois da introdução de novos alimentos, o leite materno deve ser mantido na alimentação da criança. 

Mesmo que seu filho só tome fórmula (leite artificial), e não leite materno, os especialistas recomendam esperar até os 6 meses para dar outros alimentos. 

Um dos motivos é que o sistema digestivo ainda não está preparado para digerir outras comidas, e outro é que o organismo da criança estará mais forte para combater eventuais infecções ou alergias decorrentes da alimentação variada. 

Caso você precise voltar ao trabalho e tenha que introduzir novos alimentos antes dos 6 meses, converse com o pediatra primeiro -- especialmente se o bebê tiver nascido prematuro. Na prática, muitos médicos acabam orientando a introdução de alimentos por volta dos 4 meses. 

Será que meu filho está pronto para outros alimentos? 

Uma criança está apta a experimentar novos alimentos se: 

• Consegue manter a cabeça erguida 

O bebê precisa manter continuamente a cabeça erguida, para que possa ser alimentado com a colher. O controle da cabeça apresenta grandes avanços a partir de 3 ou 4 meses. 

• Senta-se bem quando está apoiada 

No começo, talvez o bebê ainda necessite de ajuda para se sentar, por isso o próprio carrinho ou a cadeirinha que vai no carro podem ser boas alternativas. Os cadeirões serão usados um pouco mais tarde, quando seu filho já puder sentar inteiramente sozinho. 

• Não tem mais aquele reflexo de colocar a língua para fora 

Esse reflexo impede que os bebês engasguem. Eles põem a língua para fora sempre que alguma coisa mais dura é colocada na sua boca. Por volta de 4 a 6 meses, o reflexo desaparece, indicando que estão prontos para experimentar alimentos macios e pastosos. 

• Faz movimentos de mastigar com a boca 

Os bebês têm que aprender a movimentar a comida para o fundo da boca e engolir. À medida que engolem melhor, você provavelmente vai perceber que toda aquela babação dos primeiros meses tende a diminuir. 

Aos 6 meses, é possível que seu filho já tenha um ou dois dentinhos (geralmente, os inferiores nascem primeiro). Crianças que mamaram no peito costumam ter os músculos da boca e da língua bem tonificados, o que favorece o processo. Mas os dentes não são essenciais para o início da alimentação com sólidos. Muitos bebês mastigam com a gengiva. 

• Já tem o dobro do peso com que nasceu 

A maioria das crianças está pronta para ingerir alimentos pastosos quando já dobrou de peso em relação ao nascimento, o que pode acontecer por volta dos 4 aos 6 meses. 

• Mostra curiosidade sobre o que você come 

De repente, seu filho começa a ficar de olho no seu prato, e estende a mãozinha para tentar pegar a comida. Depois dos 6 meses, o paladar do bebê também já está mais apto a descobrir novos sabores. Isso não quer dizer que você deva dar a ele tudo o que ele pede. Vá com calma, seguindo as orientações do pediatra."

Fonte: Baby Center

Nenhum comentário:

Postar um comentário