quinta-feira, 31 de maio de 2012

Ela chegou!

Depois de uma semana monitorando o final da gravidez e nada de entrar em trabalho de parto, a médica resolveu marcar minha cesárea para o dia 25 de maio, às 13h.

Sempre fui contra cesariana eletiva, já comentei isso em outras postagens, mas nesse caso, eu teria que fazer uma cesariana de qualquer forma porque a Júlia estava sentada, e no dia 25 estaríamos com 40 semanas de gestação completas. Sendo assim, minha pequena não seria tirada da barriga antes da hora, estaria prontinha para vir ao mundo.

Depois de marcar o parto, comecei a ter cólicas e contrações muito fortes, mas com intervalos muito longos, então nem adiantava ir à maternidade antes da hora marcada. Tive uma noite muito difícil, não consegui dormir por causa das dores, acordava de 1 em 1 hora. Só consegui dormir mesmo depois das 7h, mas eu queria acordar cedo para me arrumar para ir ao hospital, mas como estava muito cansada, o Guto me deixou dormindo até 10h30.

Pronta para ir ao hospital
Acordei, tomei um bom banho, não pude comer nada, tive que ficar em jejum desde a meia-noite, separei todas as coisas que faltavam por na mala e ficamos conversando com a Ju.

Quando descobri que faria cesárea, tive muito medo porque nunca passei por nenhuma cirurgia, nunca levei ponto algum, estava com medo da anestesia que todos diziam ser muito dolorosa. Na manhã do parto, eu estava tão calma e tranquila, sem medo algum. Estava muito feliz por, finalmente, ter meu bebê.

Chegamos no hospital às 13h em ponto, fui encaminhada para a emergência para ser avaliada pela médica. Por volta das 14h, a médica deu entrada na internação, continuei na emergência tomando soro e monitorando os batimentos cardíacos da Ju.

Por volta das 15h, subimos para a sala de pré-parto, e ficamos esperando um tempão porque a maternidade estava cheia e tinha dois partos que seriam feitos antes do meu.

Entrei no centro cirúrgico pouco antes das 17h, estava morrendo de medo do que viria pela frente, mas ainda assim, super tranquila, até a hora da visita da querida anestesista... Eu fiquei bem apreensiva, esperando pelo monstro da anestesia que todos falavam. Bom, eu não achei tão doloroso assim, foi uma dor suportável, mas um pouco incômoda. Sem contar que a anestesista era um doce de pessoa. Aliás, toda a equipe médica foi super atenciosa comigo, me explicaram todos os procedimentos, conversaram bastante, fizemos piada, isso me ajudou a ficar mais calma ainda.

Ah, o papai também assistiu o parto!

Desde o começo da gravidez, o Guto sempre disse que assistiria o parto, mas confesso que não acreditava muito, pensei que ele fosse amarelar na última hora. Durante toda a gravidez, ele me deu muito apoio, participou de TODAS as consultas e exames, claro que participaria também do grande dia, mas pensei que ele não fosse aguentar. Ele estava muito mais nervoso do que eu, mas ficou firme e forte. Sentou ao meu lado e foi narrando o parto, me contando todos os detalhes e me deixando curiosa pra ver a Ju.

Enfim, minha princesa nasceu às 17h25, muito saudável, sem problema algum, com 3,240kg e 46cm. Ela nasceu um pouco roxinha porque estava com três voltas do cordão umbilical pelo corpo, mas depois que o médico a desenrolou e aspirou seu nariz, finalmente pude ouvir seu chorinho. Mamãe chorou, claro!


Logo na sala de parto, percebi que eu ganhei um bebê calmo e tranquilo. Júlia chorou um pouquinho, mas depois passou o tempo todo quietinha observando tudo e todos ao seu redor. Ela é muito espertinha!
O primeiro colinho foi o do papai, já que a mamãe não podia pegá-la. Vocês não imaginam o quanto eu estava morrendo de vontade de segurá-la, sentir sua pele, seu cheiro, sentir meu bebê...



Fomos para a sala de pós-parto às 18h, eu teria que ficar lá até passar o efeito da anestesia, tomando soro com ocitocina. A Júlia ficou comigo, num bercinho ao meu lado, o tempo todo olhando para mim e observando tudo, sem chorar. Ela é um doce de menina.
Alimentando a Ju pela primeira vez
Chegamos ao quarto pouco antes das 21h. Papai já tinha organizado tudo para nossa chegada e nos esperava na companhia das vovós Eli e Sueli, e da bisa Olga. Ficamos um pouquinho com eles, já que o horário de visita era só até as 21h. Só a vovó Eli ficou com a gente, pois ela me ajudaria a cuidar da Júlia no hospital, uma vez que ficamos em alojamento conjunto, pois não há berçário na maternidade. Foi a melhor coisa que aconteceu, eu não teria dado conta de nada se não fosse minha mãe para me ajudar. Ela cuidou da Júlia enquanto eu estava de repouso e me sentindo mal com as dores do pós-parto. Só pude pegar a Júlia depois das 22h, quando a enfermeira foi ao nosso quarto para me ajudar a amamentá-la, mas ainda assim, ela ficou comigo só um pouquinho.

No dia seguinte, eu já estava me sentindo muito melhor. Papai foi cedo nos visitar e passou o dia com a gente. Acompanhou a pequena em seu primeiro exame, uma ultrassonografia dos rins, ajudou a vovó com os cuidados da pequena e também cuidou de mim. Muito atencioso e carinhoso esse papai! Enquanto isso, eu aproveitei para dormir o dia todo, mas nem consegui descansar direito, o entra e sai de enfermeiras no quarto sempre me acordava. No final da tarde, recebemos uma rápida visita do padrinho da Ju e sua namorada. Tivemos mais um dia tranquilo, a Júlia não deu um pingo de trabalho.

Os problemas vieram de madrugada. Júlia começou a ter cólicas, tadinha! Foi nesse dia que meu bebê começou a chorar de verdade. Até então, ela só resmungava um pouco quando estava com fome ou incomodada com alguma coisa. Com as cólicas, a Júlia gritava de dor, vocês não imaginam como isso me partiu o coração. Eu e minha mãe passamos a noite nos revezando para cuidar da Júlia, ela dormia um pouquinho e logo acordava chorando de dor. Só dormiu bem quando a deitei em meu peito desnudo, onde ela pode sentir o calor do meu corpo para aliviar suas dores.

No domingo, pela manhã, recebi a visita do obstetra. Ele me avaliou e disse que a cicatrização dos meus pontos estava ótima e recebi alta. Mais tarde, veio o pediatra avaliar a Ju, ela também estava ótima, nem tinha mais as dores da cólica. Ela também recebeu alta, mas só poderíamos ir para casa depois que ela fizesse o exame do pezinho, ou seja, ficamos no hospital até o final da tarde.

Recebemos a visita do vovô Douglas e da madrinha da Ju e seu namorado. Tivemos um dia tranquilo, mas eu estava muito cansada por causa da noite anterior. A Júlia dormiu o dia todo de tão cansada que estava, já eu, não consegui fechar os olhos um só minuto.

Depois das 17h, a enfermeira fez o exame do pezinho. Eu estava com medo pela Ju, não queria que minha pequena sentisse dor, quase chorei quando a enfermeira furou seu pé. Minha menina se mostrou forte, resmungou um pouco na hora da picada, mas depois ficou quietinha até o final do exame, isso porque tivemos que furar seu pé duas vezes, pois seu sangue coagulou rápido demais.

Saímos do hospital depois das 18h, a Júlia continuava dormindo calmamente. Ficou muito tranquila dentro da carro, chegou em casa dormindo e assim continuou por um bom tempo.

Ela estranhou um pouco quando chegamos em casa, mas logo nos adaptamos. Cada dia é uma coisa nova para aprender, esses primeiros dias estão um pouco difíceis para todos, mas eu e o papai estamos nos saindo bem nessa nova tarefa.

A Júlia é um doce de menina e estamos cada vez mais apaixonados pela miudinha. Não tem como não morrer de amores por esse pingo de gente...


Logo voltaremos com mais notícias, é só a Júlia nos dar uma folguinha. Mesmo quando ela está quietinha, os pais continuam ocupados na árdua tarefa de "babar" em seu pequeno tesouro!

2 comentários:

  1. Olá, parabéns sua bebê é LINDA!
    E que bom que vc teve um bom parto, mesmo não sendo o que vc esperava e planejava.
    Beijão.
    Dá uma passadinha no meu blog:
    http://graebru.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Parabéns pela bebê linda!!! Muita saúde pra nova familia!!

    ResponderExcluir