terça-feira, 6 de março de 2012

Para Júlia

Faz um tempo que eu tento escrever aqui para você, Júlia. Mas não pense que não escrevi porque não te amo, ou porque não gosto de falar ou escrever sobre você. Pelo contrário, você não sabe o quanto o papai anda falando sobre você para as pessoas. Eu simplesmente não ando tendo muito tempo minha filha, mas não pense, também, que esse tempo é desperdiçado. Saiba que seu pai trabalha todo esse tempo pensando em você e fazendo com que o trabalho dele valha a pena.

Trabalho. Isso é uma coisa um tanto séria demais para eu falar para você. Talvez o máximo de trabalho que você conheça é o do estômago da sua mamãe ao fazer aqueles barulhos engraçados que nós, adultos, chamamos de digestão e talvez eu não consiga explicar exatamente para você o que é o trabalho, mas vou dar o meu melhor.

Trabalho é quando o papai sai de casa e dá um beijo na mamãe pela manhã, fica o dia inteiro sentado na frente do computador fazendo vários desenhos chamados letras - que um dia também iremos te ensinar para que servem - e depois de ficar o dia inteiro fazendo isso, o papai chega em casa, logo quando a mamãe fala: "O papai chegou"!

No fundo é legal o que o papai faz. Eu adoro tecnologia. Espero que você tenha um pouco disso quando crescer. Mas no fim o trabalho acaba com meu tempo. O tempo de descansar direitinho, o tempo de cuidar da mamãe, o tempo de cuidar de mim mesmo. As coisas acabam ficando incompletas, os sentimentos ficam com aquela sensação de quando você não tem tranquilidade. Em resumo, minha pequenina, as coisas sempre parecem tristes.

Todos os dias eu peço ao Papai do Céu um jeito de ter mais tempo, de poder dar conta de tudo, mas simplesmente não consigo. Talvez não seja Ele que deva me mostrar onde devo conseguir esse tempo, pois tenho um forte palpite que será você a pequena grande pessoa que me ensinará a arranjar tempo para tudo.

Você nem imagina o quanto já estou aprendendo com você, filha. O quanto eu me tornei mais paciente, mais tolerante, mais simples e humilde. Cada vez mais eu penso que eu não sou nada e que você é tudo para mim. Você foi um verdadeiro presente de Deus, que me tornou uma verdadeira lição de vida, constantemente.

Fico me perguntando o dia inteiro se tenho maturidade suficiente para isso. Modestamente, seu pai consegue ser mais maduro do que muita gente, mas ainda assim fico pensando como um outro papai que escreveu em outro blog: "Pai, nome estranho para uma pessoa que ainda come sucrilhos e joga video game". Meus amigos já começaram a me achar estranho, porque estou tentando ser mais sério, mas eu acho que o melhor vai ser continuar sendo quem eu sou e guardar essa criança em mim para brincar muito com você.

Sua mamãe também anda aprendendo muito contigo, ainda mais suportando todas as mudanças no corpo dela durante a sua preparação. De vez em quando ela fica muito irritada por conta dessas mudanças e briga com o papai, mas o que realmente importa é que continuamos juntos apesar de tudo, pois nós estamos felizes com sua chegada meu amor.

Sinto-me um pouco infeliz por não poder te dar uma vida mais agradável. Apesar de estarmos gastando bastante moedinhas com você, ainda faltam algumas coisas que temos que esperar o próximo mês para comprar. Não se importe com isso, essa decepção é só minha por ter trazido você um pouco cedo para o mundo. Nunca me arrependi de ter gerado você, mas queria ter me preparado mais para isso.

Fique tranquila, pois quando você chegar estará tudo preparado. O seu cantinho ao nosso lado, os seus itens de beleza para bebês, todo o conforto que podemos te dar. Essa é a minha palavra.

E me faça um favor, Júlia, venha logo! Não que eu queira que você venha antes da hora certa, mas que o tempo que precisamos esperar passe logo, porque você não faz ideia de como estamos ansiosos pela sua chegada.

Me sinto cada vez mais pai, me sinto cada vez mais dependente de você e dos seus movimentos na barriga da mamãe. Ainda que eu tenha um pouco de preguiça de esticar meu braço e cruzar a cama para lhe acariciar, tenho cada vez mais vontade de deitar ao lado da barriga da mamãe e ficar horas e horas com vocês.

Venha revirar nosso mundo, venha nos ensinar sem querer o quanto é bom sermos pais, venha para nos mostrar o que é o verdadeiro amor incondicional. E não esqueça da minha voz quando nascer!

Do seu pai em geração,

Gustavo

Nenhum comentário:

Postar um comentário